Tags

, , , , , , , ,

No ano em que eu nasci, esta banda canadiense faz história na música moderna ao lançar um álbum absolutamente extraordinário. Eu divido a música moderna em dois grandes grupos, a música intemporal e aquela que no momento em que a escutamos, a primeira coisa que vem à cabeça é a roupa que se vestia na altura ou qualquer outra coisa relacionada com a moda. A música intemporal chega ao coração sem dar tempo de pensarmos em qualquer coisa. É o caso deste álbum dos Rush.

Para mim um grande álbum, aqueles imortais, aqueles que já andaram no carro tanto tempo e foram emprestados tantas vezes, que o booklet está completamente rasgado e o cd está de tal forma riscado que é impossível ouvi-lo, aquele faz parte da banda sonora da vida de muitas gerações, um álbum desses tem de ser ouvido do principio ao fim, sempre com o mesmo entusiasmo. Todas as músicas desse álbum são um potencial single.

Este é um dos seus grandes clássicos, Tom Sawyer. Uma versão vivo, como não podia deixar de ser, pois é no palco que se devem julgar as bandas, no caso dos Rush, só ao vivo é que se consegue perceber a dimensão da banda.

Esta é uma instrumental, se não me engano consta da lista de músicas do Guitar Hero. A “YYZ”. Mais uma versão ao vivo, desta vez no Rock in Rio.

É de realçar que os Rush são um trio, Alex Lifeson, Neil Peart e Geddy Lee. Guitarrista, baterista e baixista-vocalista-teclista. Mas compõe e tocam com uma solidez que preenchem qualquer vácuo que se possa imaginar num grupo musical tão reduzido.

Um dos riffs de guitarra daqueles que vem nos livros ouve-se no inicio da “Limelight”.

E reservo para o fim um dos grandes clássicos do Prog-Rock, “The Camera Eye”. Esta música tem tudo o que é o prog, os sons de teclado, a introdução longa com uma tensão crescente, riffs de guitarra excelentes, muito instrumental e uma interpretação tecnicamente perfeita.

“A modern day warrior
Mean mean stride,
Today’s Tom Sawyer
Mean mean pride.

Though his mind is not for rent
Don’t put him down as arrogant
His reserve, a quiet defense
Riding out the day’s events
The river”