Tags

,

Entre as particularidades mais originais que já observei na fauna humana, o desdém pelo chocolate confere uma aura de excentricidade a quem renuncia à fruta do cacaueiro. Há pessoas que não gostam de chocolate.

Se, em tempos idos, ainda deslumbrado pela volúpia adocicada exibida na montra de uma pastelaria, me escandalizava por esse repúdio que considerava uma blasfémia cuja pena mínima seria a extracção do palato, hoje, considero esses espécimes uns rebeldes da culinária que devem ser aclamados pela afronta ao senso-comum  do paladar.

Não se deixam ludibriar pela do aroma denso de um chocolate quente com laranja; são insensíveis à falcatrua adocicada de um chocolate de leite com avelãs; fazem orelhas moucas ao doce estalar do crocante que, por artes mágicas de uma alquimia secreta, foi encerrado em bolinhas de pasta de cacau; são superiores à multidão hipnotizada pela ofício do chocolateiro.

As pessoas que não gostam de chocolate pertencem a uma elite que evitará a diabetes com um sentido de gosto que não cede a facilitismos.