Tags

, , , , , , , , ,

Um dos maiores tabus da História da Humanidade, é o da concepção de Cristo. Maria, alvo do engate perfeito. Ele aparecia-lhe em sonhos, ela acordava suada com as mãos entre as coxas, e toma lá José, beat this!! Desde criança que fico perplexo com estas coisas, nunca levei estas histórias a sério. Sempre procurei perceber a moral por detrás da ficção, mas a Igreja nunca fez questão de revelar e procurar ensinar. O que fizeram foi tratar as pessoas como parvas, inventando uma história que só pode servir o propósito de diabolizar o sexo, mantendo as pessoas na ignorância, um freio que as segurava  e mantinha na ordem, para que o clérigo se mantivesse no poder. É muito difícil para a Igreja, explicar que Cristo era apenas um homem que procurava revolucionar a sociedade. Tinham que lhe dar um carácter místico. Um ídolo, alguém inalcançável.

A minha teoria é que um homem que procura mudar a moral da sociedade, tornando-a igualitária, insurgir-se contra o domínio do governo, defender os pobres e desfavorecidos, proclamar a sua filosofia em grandes discursos, cabelo comprido, etc, etc. Isso tudo soa muito a obra de um militante de esquerda. Pois é, Cristo só podia ser comunista.

Maria e José  ainda não eram casados quando ela engravidou. “Olha, estou grávida…”, “O quê?! Mas nós ainda não…”, “Pois é, mas o outro dia apareceu o Espírito Santo, e sabes como é. Quando o Altíssimo quer…”. Pelo que reza a Bíblia, apareceu um anjo ao José e explicou-lhe a situação. Bem, eu só posso concluir que Deus é uma mulher. Que desculpa mais esfarrapada! E o Anjo, provavelmente era instrutor no ginásio, onde Maria frequentava. A Maria é sempre representada com grande corpo, devia tratar bem dele. Os romanos tinham a cultura dos ginásios, e sabe-se o quanto as mulheres gostam de italianos. Do the math….

Deus é afinal uma mulher, e Cristo era comunista. Para mim faz todo o sentido. Eu sempre encontrei um carácter hippie e socialista na doutrina de paz e amor proclamada pela Igreja. Ao mesmo tempo, eles procuram temperar esse sentimento com conservadorismos e dogmas, para que as pessoas se mantenham na ordem e subservientes. E depois é a atitude da Igreja em relação ás mulheres. Eu só posso compreender a génese dessa parvoíce, no medo que os homens tem ás mulheres. Elas são a Natureza em estado bruto, e os homens da Igreja tentam-se sublevar  contra a Natureza, mas esbarram sempre num corpo feminino.  Tentam afastar-se da coisas terrenas, através do celibato, por exemplo. É um paradoxo incrível. No entanto, apesar de achar que esta é a base de toda a estupidez  emitida pelo Vaticano, em broadcast para o Mundo, a questão é um pouco mais complexa. Merece outro post.

A imagem inicial, faz parte de uma iniciativa levada a cabo por uma Igreja Anglicana na Nova Zelândia, St. Matthews. O objectivo deles é muito claro, e não podia estar mais de acordo:

“It is intended to challenge stereotypes about the way that Jesus was conceived and get people talking about the Christmas story.”

Ou seja, vamos deixar de tretas e falar a sério. Penso que é assim que a religião Cristã faz sentido. Uma filosofia de vida e não um conjunto de regras baseadas em histórinhas muito mal contadas.

Site da Igreja de St. Matthews.