Tags

, , ,

José Rodrigues dos Santos disse ontem no Telejornal da RTP1 que Alexandre Quintanilha “foi eleito, ou eleita, pelo PS”. A ERC vai abrir um processo.

É verosímil que o José Rodrigues dos Santos tenha ousado uma graçola deste calibre em pelo jornal da noite, com o intuito do enxovalho “quim-barrerista” sabendo, melhor do que ninguém, que se colocaria diante do pelotão de fuzilamento com o gatilho leve das redes anti-sociais?

Não me parece, e apesar de se encaixar no tipo de humor do pivot, a tirada seria de uma inocência impensável num criador de personagens tão conspiradoras como os Drs. No’s dos seus romances.  A explicação de JSR é razoável.

O tema da homossexualidade padece de alguma hipersensibilidade, que tem razão de ser e a História é cabal, mas as reacções extremadas demonstram, mais uma vez, uma feroz incontinência em julgar os outros sem procurar compreender o contexto (aquelas areias movediças do discurso que contém e engolem as entrelinhas maldosas). Estar à frente do ecrã não significa elevação moral, mas parece ser esse o sentimento.

Eu questiono-me, num inútil exercício de anatomia da ofensa, qual é a diferença, em termos de gravidade moral, entre este insulto (assumindo hipoteticamente a classificação) e o criativo leque de acintes dirigidos a políticos?

Apesar de tudo, se fosse comigo, ficava ofendido.